Translate

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Violência e falta de direitos.


Uma visão dos problemas da juventude da periferia.


Um novo estudo do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) comprova que as chances de um negro ser assassinado no Brasil são muito maiores do que as de uma pessoa que não é negra. O documento foi divulgado na terça-feira, 19/11, véspera do Dia da Consciência Negra.

Segundo o estudo Vidas Perdidas e Racismo no Brasil, além da situação socioeconômica e do acesso desigual às políticas públicas, também o racismo da sociedade brasileira tem influência direta nos elevados índices de mortes violentas entre os jovens de periferia nas grandes metrópoles, especialmente Rio de Janeiro e São Paulo.

O estudo também aponta que, por causa da violência, a expectativa de vida dos negros é menor. Se consideradas todas as formas de violência letal (homicídios, suicídios e acidentes), os homens brasileiros de cor negra perdem 3,5 anos de vida, enquanto que os não negros perdem 2,57 anos.

Fórum Hip Hop

Como forma de criar espaço para expressão, intercâmbio cultural e social e de voz para representatividade, o jornalista e Rapper Pirata vem liderando o Fórum Hip Hop. Trata-se de uma organização que representa os jovens em especial os moradores da periferia e pretende debater soluções para a falta de perspectiva e do olhar público para os direitos desses jovens.

Uma das responsabilidades tem sido fazer interlocução com os poderes públicos. Para isso, além do blog, realizam eventos e desenvolvem diálogo contínuo com Vereadores, Comissões temáticas da Câmara Municipal e com organizações não governamentais.



Especialmente para o Portal do Sindilex, o Rapper Pirata responde algumas perguntas analisando esse contexto de tensão social e de conjuntura política desfavorável à vida dos jovens na periferia.

Redação: - A juventude negra, pobre e periférica vem sofrendo um genocídio na visão do Fórum Hip Hop?

RAPPER PIRATA - Sim.

Redação: - Faltam canais de interlocução com autoridades e poder público?

RAPPER PIRATA-O poder público não usa o seu principal princípio que é servir a população, ao contrário, tornou-se um espaço de pessoas que querem a estabilidade de suas funções, em razão da ideologia neoliberal que teve início e se estabilizou no mundo na década de oitenta. Isso nos trouxe o desemprego estrutural. Além disso, as instituições públicas não executam suas funções, por exemplo: secretarias de direitos humanos, coordenadorias, ouvidorias, Ministério Público, câmaras de vereadores, assembleias legislativas, comissões entre outras. Esses sempre falam que não tem cidadania para todos, e eles são frágeis. As instituições insistem em transferir para a sociedade civil a responsabilidade de resolver os crimes praticados pelo racismo institucional do estado brasileiro, algo que na Carta Magna obriga as instituições públicas a combaterem.

Redação: A imprensa e os formadores de opinião da sociedade paulistana dão pouca importância a esses fatos?

RAPPER PIRATA – Lógico! Porque eles lucram com esses crimes, estereotipando os pobres como violentos.

Redação: - É, na sua visão, um cenário mais paulistano ou de todas grandes cidades brasileiras?

RAPPER PIRATA - Se compreendi a pergunta, digo que o estado de São Paulo, tem tido divulgações sobre ser menos violento do que os outros estados, por reduzir os números quando são contabilizados a partir de picos de violência. Assim, é óbvia a sua diminuição e o marketing que se faz em torno desses números tem dado a sensação de controle. Mas a redução nunca é de 70%, sempre de zero virgula algo.

Redação: - Quais seriam as principais reivindicações?

RAPPER PIRATA- Indenização das famílias em casos de violência institucional; redução de estatísticas de 0 para 100 mil habitantes, em casos de violência; responsabilizar os governadores pela violência causada por suas políticas de segurança pública em que o jovem preto, pobre e periférico seja o alvo; efetivação das leis como SUAS, ECA, Maria da Penha, SUS, direitos humanos e culturais para se criar uma rede de proteção; desmilitarização das polícias e barrar a criminalização do pobres, movimentos culturais e sociais periféricos por parte dos governos e dos meios de comunicação.

Redação: Você acha que a falta de perspectivas para a juventude é a principal causa desses problemas sociais?

RAPPER PIRATA- Então, acredito que não haja falta de perspectiva para os jovens e sim a não garantia de direitos à população. Ainda temos cenários gigantes de miséria na realidade brasileira.

Redação: Na sua visão, qual a saída?

RAPPER PIRATA- Que toda a sociedade brasileira saia da zona de conforto que privilegia algumas pessoas que creem que a meritocracia é real, sendo que a disputa é desigual. Temos que querer que o outro viva e não sobreviva, dando o sentindo real de cidadania plena, distribuindo a renda a todos.
fonte:http://www.sindilex.org.br/materias/violencia-e-falta-de-direitos-problemas-juventude-periferia/violencia-e-falta-de-direitos-problemas-juventude-periferia.html

Um comentário:

Loco Sapiens disse...

VIDA LOKA
MUNDOCRUEL