Translate

domingo, 29 de julho de 2012

Mapa da Violência aponta aumento de homicídios contra crianças e adolescentes no país


Violência - Em fundo preto, impressão de palma da mão espalmada com tinta branca.Karol Assumpção
da Adital
A taxa de homicídios entre crianças e adolescentes no Brasil entre 1980 e 2010 cresceu 346%. Isso é o que aponta o novo Mapa da violência 2012 – Crianças e adolescentes do Brasil, divulgado no último dia 18. O elevado índice de assassinatos de meninas e meninos colocou o país em 4° lugar em uma lista de países com maiores taxas de homicídio entre crianças e adolescentes.
De acordo com a pesquisa, durante as três décadas analisadas, mais de 175 mil meninos e meninas de zero a 19 anos de idade perderam suas vidas para a violência. Somente em 2010, 8.686 crianças foram assassinadas no país.
O estudo alerta para o fato de que, nesses 30 anos, enquanto as taxas de mortalidade de crianças e adolescentes por causas naturais diminuíram, os índices de morte por fatores externos aumentaram. Destaque para homicídios, acidentes de transporte e outros acidentes. Segundo o relatório, em 2010, essas três causas representaram mais de 90% do total de mortes de crianças e adolescentes por causas externas, ficando o assassinato em primeiro lugar (43,3% das mortes), seguido por acidentes de transporte (19,7%) e outros acidentes (19,7%).
O que mais chama a atenção é o crescimento do número de assassinatos. Em 2010, 8.686 meninos e meninas foram mortos/as no país, representando uma taxa de 13,8 homicídios para cada 100 mil crianças e adolescentes. Dez anos antes, a taxa era de 11,9 para cada 100 mil.
“Dentre os 99 países com dados recentes nas bases estatísticas da Organização Mundial da Saúde, o Brasil, com sua taxa de 13,0 homicídios para cada 100 mil crianças e adolescentes, ocupa a 4ª posição internacional, só superada por El Salvador, Venezuela e Trinidad e Tobago”, destaca.
O documento ainda mostra a diferença das taxas por unidades da federação e municípios. De acordo com a publicação, enquanto estados como Piauí e São Paulo apresentam índices de homicídios de 3,6 e 5,4 para cada 100 mil, respectivamente; em Alagoas e Espírito Santo, essas taxas sobem para 34,8 e 33,8.
Mobilizações
Preocupadas com o elevado número de homicídios no Espírito Santo, organizações sociais e juvenis promovem a Campanha Estadual Contra a Violência e o Extermínio de Jovens. A ideia é chamar a atenção da sociedade e dos representantes de governo para as altas taxas de violência contra a juventude do estado.
Integrantes da Campanha convocaram, para esta quinta-feira (19), um ato público no Centro da capital capixaba para alertar a população para a realidade enfrentada por jovens no estado. A programação contemplou apresentações culturais, lançamento de cartilha sobre a Campanha e lançamento do Pacto em Defesa da Vida da Juventude, documento que será apresentado aos/às candidatos/as das eleições municipais deste ano.
Violência policial
A violência contra a juventude também foi tema de debate na noite de ontem (18), em São Paulo (SP). O encontro, promovido pelo Fórum Hip Hop municipal de São Paulo, destacou a violência policial contra a juventude negra no estado.
A atividade reuniu movimentos sociais, organizações de defesa dos direitos humanos, Pastoral Carcerária, Defensoria Pública, entre outras entidades para discutir o problema da violência policial no estado e buscar estratégias para denunciar a situação. No encontro, os/as participantes acordaram em criar uma comissão para realizar uma audiência pública sobre o caso e promover uma campanha contra a violência promovida por agentes do Estado.
Com informações de agências.
Fonte: Adital

Nenhum comentário: