Translate

terça-feira, 20 de outubro de 2015

JUVENTUDE SEM ATITUDE

Rapper Pirata
O tempo se vai, ele nos mostra que as politicas de juventudes não são pautadas com seriedade por alguns movimento que se dizem representantes veiculados a instituições públicas. Esses movimentos vão fazendo marketing para alguém que não é a juventude, eles somente querem ocupar lugares para serem os primeiros a receberem o dinheiro publico para tal efetivação de leis, que eles não sabem quais são.
Tratam uma juventude como descolados alegres que pode assistir shows, e outra que tem que se profissionalizar para atender os pais e os descolados classe média branca.
Não conseguiram até agora agirem contra o GENOCÍDIO DA JUVENTUDE PRETA, POBRE E PERIFÉRICA, NÃO ATENDEM A JUVENTUDE PRETA, POBRE E PERIFÉRICA QUE SERÁ AFETADAS PELA POLITICA DO FIM DAS ESCOLAS, NÃO ATENDEM A JUVENTUDE PRETA, POBRE E PERIFÉRICA QUE ESTÁ SENDO APRISIONADA, NÃO ATENDEM A JUVENTUDE PRETA, POBRE E PERIFÉRICA QUE MORREM POR FALTA DE ATENDIMENTO NO SUS, NÃO ATENDEM A JUVENTUDE PRETA, POBRE E PERIFÉRICA EM SITUAÇÃO DE DROGADIÇÃO, NÃO EFETIVAM LEIS PARA ADOLESCENTES PRETOS , POBRE E PERIFÉRICOS EM CONFLITO COM A LEI, NÃO SE POSICIONAM CONTRA O GOVERNO QUE MANTEM O RACISMO INSTITUCIONAL PRODUTOR DE MISÉRIA DA JUVENTUDE PRETA, POBRE E PERIFÉRICA.
Somente fazem slogans Rolezinhos, Atiram em Mim, Mais Amor entre outras coisas que não refletem em justiça social, para manipularem outros politicamente; essa estrategia foi encontrada por esses para ocuparem os espaços em secretaria dos poderes públicos executivos, e quando se encontraram com movimentos falam que são manos também.
Niggaz! Shit!

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

CONTRA A REDUÇÃO RAPPER PIRATA

NÃO DÁ PARA COMBATER O GENOCÍDIO DOCILMENTE.

Rapper Pirata​

Tem maluco que alcança postos de decisões mas  porque já está adaptado, esse não influência em nada, deseja somente receber dinheiro. Durante seu tempo de 'fake' luta ele foi negando as bases pobres, pretas e  periféricas, mas  utiliza se dela em discursos para convencer com seus simulacros de realidade politica .

 Não quero parafrasear Marthin Luter King, só que também tenho um 'gangsta' sonho: Ah... Como seria muito 'loco' se nós pobres que   tivemos  e fazemos o hip hop como base na periferia entendêssemos nosso poder. Se  buscássemos nosso espaço de poder politico sem se adaptar as regras que vão contra nós. Negássemos a concessão que mantem o racismo,miséria e uns como escolhidos para enganar nos.

 A essência de nossa luta tem que ser para todos, mesmo sabendo que uns se enfraquecem, isso porque somos uns país que tem 400 anos de história de seu povo na escravidão, então extirpar de nossa cultura e filosofia de vida o sentimento de sobrevivência é difícil, ainda mais que o sistema capitalista aqui é de estrutura escravocrata.

Um povo tem que ter como lema a vida de desfrutar da natureza que uma nação oferece, eliminando qualquer resquício de miséria que o outro esteja vivendo.

 Os anos passam e nós achamo nos iguais aos diferentes brancos ricos que desfrutam na natureza do país, eles nos veem como inimigos, por isso decretam em suas falas e ordens no ornamento do estado o nossos espaço para convívio em  favelas, cadeias, ruas e onde já não é possível ter vida que a morte gerada pelo racismo institucional do estado.

 Esses que se utilizam dos discursos, já não me convencem porque conheci eles nos 'rolês', lá esses se 'caguetaram' que o 'bang' é só para eles. Então fazem as estratégias do poder consolidado há 500 anos vão reforçando a divisão entre os iguais que é a maioria, mas querendo ser o diferente dócil para  a minoria branca classe média racista.  Fucking niggaz!

terça-feira, 13 de outubro de 2015

PAVILHÃO NOVE : UMA TORCIDA PARA A JUSTIÇA.



André Luiz


O Delegado Marcelo Bianchi do caso do crimes na Torcida Pavilhão Nove confirma que os policiais miliatres Rodney Dias Santos e Walter Pereira Silva são envolvidos com grupos de extermínio e responsáveis pela chacina na sede da Pavilhão Nove, do Corinthians, na Zona Oeste da capital paulista. Oito torcedores foram assassinadas no dia 18 de abril 2015: Ricardo Junior Leonel do Prado, de 34 anos, André Luiz Santos de Oliveira, de 29 anos, Mateus Fonseca de Oliveira, de 19 anos, Fabio Neves Domingos, de 34 anos, Jhonatan Fernando Garzillo, de 21 anos, Marco Antônio Corassa Junior, de 19 anos, Mydras Schmidt, de 38 anos, e Jonathan Rodrigues do Nascimento, de 21 anos.



Com a estratégia dos advogados dos policiais presos era de desqualificar a investigação e as testemunhas chaves, compreendendo essa estratégia o delegado de forma contundente diz que houve uma chacina na quadra e os policiais são envolvidos, eles também atuam com grupos de extermínios que agem na região de Osasco e Carapicuíba, locais que também houveram chacinas este ano, além da acusação referente a tráfico de drogas.



O delegado em seu pronunciamento para o promotor do caso reforçou a dificuldade de apurar crimes de chacinas, porque os envolvidos são policiais e sabem o procedimento técnico de apuração de crimes , então eles vão desconstruindo as provas para terem alibi (prova de inocência do réu ) se forem acusados por crimes. Também disse que o código de ética da segurança pública é não 'caguetarem' mesmo em pressão.



Enquanto o delegado fazia seu depoimento o policial preso Rodney remugava e chorava chamando baixo o delegado do caso de mentiroso, já o Walter dialogava com uma policial da escolta sentada em sua frente durante a audiência. Ele estava de costas para plenária lotada de pessoas, elas eram familiares, torcedores e militantes de direitos humanos da cidade de São Paulo.



Por não haver o comparecimento de testemunhas dos policiais haverá outra audiência no Tribunal Criminal da na Barra Funda, no dia 27 de novembro de 2015.




























sexta-feira, 9 de outubro de 2015

CD COMPLETO UNICA CHANCE MADE IN BRAZIL

NÓS POR NÓS MESMOS.

Martin Islas

Sucatiam a educação fechando escolas e investem em armas e no braço armado do estado de São Paulo, uma chacina encobre a outra.
O braço armado do estado invade as casas das famílias vitimas da chacina de Carapicuiba, perseguem as familiares e amigos que andam com a camiseta das vitimas
de Chacina.
O próprio governador de São Paulo se blinda ocultando a documentação que compromete a sua gestão administrativa em relação aos trens, metrô e comunicação.

Tudo do estado agora se resolve com bala, prisão e morte nas periferias da cidade.
Uma autêntica politica de extermínio do pobre e periférico, preto os povos indígenas da cidade, invisíveis para as autoridades assim como a massa que moradora na rua. Essas pessoas estão a mercê de assistencialismos, de gente que vive destas situação para promover-se, para tirar uma foto, na procura de subir mais um degrau do poder político partidário ou Ongs enriquecendo com isto.
Não tem como ficar olhando, não tem como não se comprometer com os
mais enfraquecidos desta cidade e do sistema capitalista, patriarcal, ocidental e cristão.

Enquanto a população periférica vive sempre de luto e luta perante essa politica estadual e federal que foi feita pra dar todo errado na periferia, para estes últimos sobra prisão, drogas e extermínio.

POR ISSO NÓS POR NÓS MESMOS!!