Translate

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

QUERER PAZ ONDE A JUSTIÇA NUNCA EXISTIU.

Rapper Pirata

Existe algo perverso no espirito do brasileiro, a sua vontade de PUNIR para se fazer JUSTIÇA, como isso fosse resolver os problemas que faria essa sociedade ser democrática de fato. Em razão deste tipo de pensamento, não é difícil dizer que vivemos na sociedade mais violenta do mundo, a que mascara-se em um país da paz branca que não aceita as outras cores. Os defensores dessa punição sempre são contra o outro e não contra si; geralmente esse outro é preto, pobre, periférico, nordestino, sulamericano, africano, mulher, criança, adolescente, comunista, petista, socialista, nativo (índio), cigano, sem teto, sem terra, morador em condição de rua. Será que todos os problemas se resolvem com multas, prisões, mortes e castigos? Isso não são formas para domesticar o ser humano para interesses de grupos?

sábado, 28 de dezembro de 2013


NOSSO MAIOR ESQUEMA É COLETIVO - MOBILIZE-SE

REUNIÃO DO FORUM DE HIP HOP 
02/01/2014   19HR
OREDIO DO TORTURA NUNCA MAIS 
RUA FREI CANECA, 986
PRX A RUA AUGUSTA -SP 
PAUTA SEMANA DE HIP HOP 2014-

---------------------------------------------------------------------------------------------
10 de janeiro, sexta-feira, as 15h00, faremos uma reunião para tratar da Semana do Hip-Hop de 2014. A conversa será aqui na Secretaria Municipal de Cultura, na Galeria Olido, no auditório do 8º andar.

Vamos iniciar o encontro a partir da apresentação da proposta formulada pelo Fórum de Hip Hop, enviada pelo Rapper Pirata que nos lê em cópia, juntamente com outros membros do Fórum.

Por favor, repassem a informação para os grupos representativos do Hip Hop que vocês conhecem, ok? Vamos encaminhar para os grupos que temos relação aqui pelo Programa VAI e a área de Cidadania Cultural.

Boa virada de ano.

Abraço!
Renato Almeida
Coordenador - Programa VAI
SMC-G | Cidadania Cultural | Tel. 3397-0155

http://forumhiphopeopoderpublico.blogspot.com.br/
-- 
Oi! Visite.
MY SPACE clique http://www.myspace.com/rapperpirata
Blogger Rapper Pirata
http://rapperpirata.blogspot.com
https://www.facebook.com/rapperpirata
FONE: 55-11-98216-2160 Tim
           55-11-961235445
EMAIL: rapperpirata@gmail.com

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

FÓRUM HIP HOP CONTRA O CRIME INSTITUCIONAL DE RACISMO

FÓRUM HIP HOP CONTRA O CRIME INSTITUCIONAL DE RACISMO.
Rapper Pirata.

O Fórum de Hip Hop MSP atua desde de maio de 2006 contra o crime; o crime das instituições do estado brasileiro “CONTRA A POPULAÇÃO PRETA E POBRE DA PERIFERIA”.
No município paulistano existem diversas instituições que tem o dever de garantir direitos constitucionais há população, mas elas agem totalmente ao contrário utilizam-se da força do estado para negligenciar justamente esses direitos. Para mascarar a negação de direitos difundem um discurso racista e preconceituoso na sociedade paulistana, que justifica que as pessoas que sofrem de forma desumana com a perda de um ente ou aprisoamento são causadoras da violência contra si por estarem envolvidas com o crime; Então quem está no cargo de direção destas instituições ordena o legislativo, ou judiciário, ou executivo a desocupação de áreas que são ocupadas há mais de cinco anos, então negam o direitos a habitação; o recolhimento de mercadorias nas ruas de trabalhadores, negando o direito ao trabalho e renda, a penalizar crianças e adolescentes em escola, negando o direito a educação e descumprindo o Estatuto da Criança e Adolescente; o espancamento de trabalhadores em situação de rua, negando o direito a assistência social e alimentação; a criminalizar por leis a antigas e novas de culturas da periferia, negando o direito a cultura; não entregar medicamentos e atendimento em postos de saúde, negando o direito a saúde, entre outras situações que atinge as populações empobrecida de toda a cidade.
E no passar de diversas legislaturas as politicas públicas, que poderiam transformar o modo de viver da cidade e garantir a tal cidadania plena, elas são usadas como barganhas de marketing político que inviabiliza as suas efetivação.
A câmara de vereadores do município de São Paulo tem em seus arquivos trinta quatro leis de juventudes, sem sua efetivação exemplificando:

Estações de Juventude em todas subprefeituras (Lei nº 13.735 Estações Juventude)

Casas de Hip Hop (CRIA NA CIDADE DE SÃO PAULO A CASA DO HIP HOP.
Hop PROJETO DE LEI Nº 422/04)

Prevenção de gravidez na adolescência nas escolas entre outras (INSTITUI O PROGRAMA “VAMOS COMBINAR” VOLTADO À PREVENÇÃO DA GRAVIDEZ INDESEJADA, DE DST/AIDS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.PROJETO DE LEI Nº 20/2005).

O novo grupo político que administra a cidade da aos direitos humanos o estatos de secretaria na cidade com diversas pastas; a luta contra o racismo institucional é representado pela secretaria com nome SEPPIR, o combate a violência contra mulheres também torna-se secretaria. Só que, essas instituições necessitam deixar de ser lugares de lideranças que representam, para ser lugares que atuam na busca da efetivação das leis do município; e que os servidores públicos não barganham e sim atendam a população preta, pobre e periférica que são a justificativa para tais secretarias.
O poder executivo e legislativo da quinta maior metrópole do mundo, tem que realmente cumprir suas promessas que fizeram quando foram eleitos por essa população periférica, a que acreditou e acredita que os representantes são servidores públicos que servem para o povo. Os políticos eleitos não podem somente defender os interesses de setores atrasados do conservadorismo paulistano, esse que somente mantêm os direitos de uma minoria, efetivando leis que criam e ampliam o foço social, tornando o sentido da cidade que pune, violenta e prende para criminalizar os pobres.

Exemplo:” PL 02/2013- PROIBE A UTILIZACAO DE VIAS PUBLICAS, PRACAS, PARQUES E JARDINS E DEMAIS LOGRADOUROS PUBLICOS PARA REALIZACAO DE BAILES FUNKS, OU DE QUAISQUER EVENTOS MUSICAIS NAO AUTORIZADOS, E DA OUTRAS PROVIDENCIAS” Vereadores CONTE LOPES / CORONEL CAMILO

O Forum H2O MSP deseja a efetivação do programa juventude viva, não esse programa tímido que garimpada de promessas de campanha em andamento de diversas áreas das pastas de ministérios, secretarias e coordenadorias, com uma nova roupagem de programa avançado. Junto a ele as leis de juventude da cidade sejam efetivadas, para serem uma ferramenta da luta CONTRA O GENOCÍDIO DA JUVENTUDE PRETA, POBRES E PERIFÉRICA e não caça níquel. O dinheiro público do qual ele mobilizará tem que chegar nas pontas para promover, garantir e emancipar as crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos alijados há gerações de permanecer e ser paulistano.
Nós estamos aqui para exigir que as instituições do município sejam a tal rede de proteção dos JOVENS, PRETOS, POBRES E PERIFÉRICOS que são a tal população carcerária com até crimes forjados, e estão sendo mortos sistematicamente por uma politica de segurança do governo do estado de São Paulo. Essa forma de segurança pública econômica, que tinha e tem suas extensões no município através da antiga secretaria de controle social da gestão Kassab e Serra, que criou a tal operação delegada, a que ficou notória na colocação de policiais militares aposentados em subprefeitura, no controle da guarda metropolitana entre outros espaços do setor público, tanto que temos seis vereadores que escolheram ser eleitos como representantes desta politica, eles a essência de um vereador que é ser representante dos interesses de todos os paulistanos.
Nós do FÓRUM DE HIP HOP MSP preocupamos com o direcionamento da câmara municipal, que em futuro próximo criará em quatro anos politicas públicas que serão caras e perigosas para população moradora da periferia, que essa apelida bancada da bala defenderá diariamente no plenário para o tal controle dos pobres pela violência do racismo institucional.
Então queremos uma cidade sem racismo e que busque efetivar a cidadania de todos.


Leis de Juventude
Semana do Hip Hop, Lei 13.924/04 (atual Lei 14.485/07);
2. Casa do Hip Hop, PL. 422/04;
3. Casa da Cultura Hip Hop Malcom X, PL. 763/2003;
4. Dia do Hip Hop, PL. 651/2005
5. Prêmio Sabotage, Resolução 008/2004;
6. Programa Hip Hop é Educação, PL. 609/03.
Lei nº 13.735 Estações Juventude

PL 488/2013- DISPOE SOBRE O INCENTIVO A CULTURA AFRO-BRASILEIRA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE SAO PAULO

PL 349/2013-FICA CRIADO O EVENTO EXPO JOVEM

PL 333/2013- INSTITUI A CASA DE CULTURA DE PARELHEIROS, E DA OUTRAS PROVIDENCIAS

PL 309/2013- DENOMINA CASA DE CULTURA WILSON DA LUZ DOS SANTOS A CASA DE CULTURA DA BRASILANDIA, SITUADA NO DISTRITO DA BRASILANDIA, NA SUBPREFEITURA DA FREGUESIA DO O, E DA OUTRAS PROVIDENCIAS

PL 263/2013 - AUTORIZA O EXECUTIVO MUNICIPAL A ENTREGA GRATUITA DE MATERIAL DIDATICO E ALIMENTACAO AOS ATENDIDOS PELO PROGRAMA "MOVIMENTACAO DE ALFABETIZACAO DE JOVENS E ADULTOS DO MUNICIPIO DE SAO PAULO" - MOVA, E DA OUTRAS PROVIDENCIAS

PL 251/2013- DISPOE SOBERE A OBRIGATORIEDADE DE CONTRATACAO DE ADOLESCENTES, JOVENS E IDOSOS, ATENDIDOS EM MEDIDAS SOCIO-EDUCATIVAS, PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELOS ORGAOS DA ADMINISTRACAO PUBLICA MUNICIPAL DIRETA E INDIRETA, E DA OUTRAS PROVIDENCIAS

PL 121/2013-CRIA NO AMBITO DAS SUBPREFEITURAS DO MUNICIPIO O ESPACO PARA LIVRE MANIFESTACAO CULTURAL DO FUNK

PL 120/2013-AUTORIZA O PODER EXECUTIVO MUNICIPAL A CONCEDER INCENTIVO FISCAL PARA A REALIZACAO DE PROJETOS CULTURAIS, E DA OUTRAS PROVIDENCIAS

PL 102/2013- ALTERA A LEI Nº 14.485, DE 19 DE JULHO DE 2007, PARA INSTITUIR A "SEMANA MUNICIPAL DE PREVENCAO, CONSCIENTIZACAO E COMBATE AO USO DE DROGAS", E DA OUTRAS PROVIDENCIAS

PL 80/2013-DENOMINA "PISTA DE SKATE ALEXANDRE MAGNO ABRAO - CHORAO", A AREA INOMINADA CONHECIDA COMO "PISTA DE SKATE DA SAUDE", LOC ALIZADA NA RUA DOM VILLARES, EMBAIXO COMPLEXO VIARIO MARIA MALUF

PL 46/2013-INSTITUI O FUNDO MUNICIPAL DE CULTURA DE SAO PAULO, DESTINADO A APOIAR E SUPORTAR FINANCEIRAMENTE PROJETOS

PL 43/2013-INSTITUI O PROGRAMA MUNICIPAL DE APOIO A PROJETOS CULTURAIS - PRO-MAC, DISPOE SOBRE INCENTIVO FISCAL PARA REALIZACAO DE PROJETOS CULTURAIS, E DA OUTRAS PROVIDENCIAS

PL 39/2013-ALTERA A LEI Nº 14.485, DE 19 DE JULHO DE 2007, COM A FINALIDADE DE INCLUIR NO CALENDARIO OFICIAL DE EVENTOS DA CIDADE DE SAO PAULO A SEMANA DE PREVENCAO AO CRACK E DROGAS AFINS

PR 15/2013- DISPOE SOBRE A CRIACAO DA FRENTE PARLAMENTAR EM DEFESA DA CULTURA NA CIDADE DE SAO PAULO, E DA OUTRAS PROVIDENCIAS

PL 521/2012-INSTITUI O PROGRAMA PARA A VALORIZACAO DE INICIATIVAS CULTURAIS - VAI 2 - NO AMBITO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA, E DA OUTRAS PROVIDENCIAS

PL 520/2012-INSTITUI O PROGRAMA PARA VALORIZACAO DE INICIATIVAS ESPORTIVAS - VAE - NO AMBITO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE ESPORTE, LAZER E RECREACAO, E DA OUTRAS PROVIDENCIAS

PR 09/2012-INSTITUI O PRÊMIO HENFIL EM DIREITOS HUMANOS PARA HQ: JUVENTUDE E CULTURA FAZENDO CIDADANIA E ARTE”

PL 463/2012-INSTITUI O PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DAS INICIATIVAS ESPORTIVAS - VAI DO ESPORTE - NO ÂMBITO DA SECRETARIA MUNICIPAL DOS ESPORTES, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS

PL 497/2011-ATRIBUI NOVA REDACAO AO DECRETO Nº 44.565/2004, QUE REGULAMENTA A LEI Nº 11.355/93, QUE DISPOE SOBRE A VENDA DE INGRESSOS NOS CINEMAS, CINECLUBES, TEATROS, ESPETACULOS MUSICAIS, CIRCENSES E EVENTOS ESPORTIVOS A ESTUDANTES DE 1º, 2º E 3º GRAUS, ALTERADA PELA LEI Nº 13.715/2004

PL 256/2011-CONCEDE ISENCAO DE TARIFA DE TRANSPORTE A ESTUDANTES BOLSISTAS DO PROUNI ENTRE SUA RESIDENCIA E O ESTABELECIMENTO DE ENSINO, NOS LIMITES DO MUNICIPIO DE SAO PAULO

PL 235/2010- INSTITUI POLÍTICA DE TARIFA REDUZIDA NO TRANSPORTE COLETIVO URBANO PÚBLICO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS

PL 595/2009-ESTABELECE PARAMETROS PARA A CRIACAO DE CENTROS DE REFERENCIA DA JUVENTUDE E DA OUTRAS PROVIDENCIAS

PL 348/2009-DISPOE SOBRE A IMPLANTACAO DE PROJETO EDUCACIONAL JOVEM TRABALHADOR, E DA OUTRAS PROVIDENCIAS

PROJETO DE LEI Nº 553/07-"AUTORIZA O EXECUTIVO MUNICIPAL A CELEBRAR CONVÊNIO COM A SECRETARIA DA JUVENTUDE, ESPORTE E LAZER DO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO.

PROJETO DE LEI Nº 179/06-AUTORIZA O PODER EXECUTIVO A CRIAR O PASSE GRATUITO DO ESTUDANTE PARA USO DOS ESTUDANTES PAULISTANOS NOS VEÍCULOS DE TRANSPORTE COLETIVO PÚBLICO DE SÃO PAULO

PROJETO DE LEI Nº 190/05-ESTATUTO DA JUVENTUDE

PROJETO DE LEI Nº 20/2005-INSTITUI O PROGRAMA “VAMOS COMBINAR” VOLTADO À PREVENÇÃO DA GRAVIDEZ INDESEJADA, DE DST/AIDS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

PROJETO DE LEI Nº 422/04-CRIA NA CIDADE DE SÃO PAULO A CASA DO HIP HOP.

PROJETO DE LEI Nº 378/04-DISPÕE SOBRE A OBRIGATORIEDADE DE IMPLEMENTAÇÃO DO PLANTÃO JOVEM EM TODAS AS UNIDADES DE SAÚDE DO MUNICÍPIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

PROJETO DE LEI Nº 763/03-CRIA A "CASA DA CULTURA HIP HOP - MALCOM X", E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

PROJETO DE LEI 153/03-DISPÕE SOBRE A OBRIGATORIEDADE DE CADASTRAMENTO DE MÃES SOLTEIRAS , VITIMAS DE ABANDONO E VIUVAS VITIMAS DA VIOLÊNCIA URBANA NOS PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL SEMPRE QUE TIVEREM MATRICULADO SEUS FILHOS EM CRECHES E ESCOLAS MUNICIPAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO

PROJETO DE LEI Nº 335/02-DISPOE SOBRE A CRIAÇÃO DE UM SISTEMA MUNICIPAL INTEGRADO DE INSERÇÃO DE JOVENS NO PRIMEIRO EMPREGO

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

PROPOSTA ENTREGUE A SECRETARIA DE CULTURA QUE ATÉ AGORA?

http://forumhiphopeopoderpublico.blogspot.com.br/

Leia íntegra do documento apresentado pelo Movimento Hip Hop
Ata da reunião preparatória autônoma do Movimento Hip Hop organiado, convocado por Milton Sales e ocorrida sábado (6/4), na Favela do Moinho:
Presentes: MH2O São Paulo, Fórum Municipal do Hip-Hop SP, MH2O Guarulhos, MH2O ABC, Casa do Hip-Hop Diadema, Família Ducorre, Apocalipse Urbano, Rap Nacional, Rimatitude, Movimento Mães de Maio, Mutirão Cultural da Quebrada, Luta Popular, Movimento de Solidariedade à Palestina (Mop@t), Desinformémonos, Organização de Moradores da Moinho etc
Indicações:

- AUTONOMIA: Garantia e Fortalecimento da Autonomia do Movimento Hip-Hop (sem intermediários de ONGs e Empresas Culturais; Nóis por Nóis);

- DESCENTRALIZAÇÃO DO PODER E DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO: Descentralização do Poder Decisório e Democracia Direta sobre os Aparelhos e Recursos Públicos da Cultura (criação de Subsecretarias Temáticas do Hip-Hop e Regionais);

- RESGATE DA HISTÓRIA: Projetos para Resgate, Preservação e Difusão da História do Movimento Hip-Hop Organizado em São Paulo;

- FORTALECIMENTO DO FÓRUM MUNICIPAL, SUAS DELIBERAÇÕES, DA SEMANA MUNICIPAL DO HIP-HOP (LEI MUNICIPAL 14.485/2007): Fortalecimento da Autonomia e ampliação do orçamento anual da Semana Municipal do Hip-Hop em SP (atualmente em apenas R$ 100.000,00, com parte do dinheiro ainda sofrendo interferência);

- RESGATE DA “CASA DO HIP-HOP” DE CIDADE TIRADENTES E CRIAÇÃO DE + 4 CASAS DO HIP-HOP (Z/L, Z/S, Z/N, Z/O E CENTRO): Resgate da Lei Original da Casa do Hip-Hop de Cidade Tiradentes (Projeto de Lei 422/2004), posteriormente transformada em “Estação Juventude”, e criação de + 4 Casas do Hip-Hop (como a Casa da Cultura Hip Hop Malcom X, PL. 763/2003), uma em cada região da cidade.

- HIP-HOP CULTURA DE RUA CONTRA VIOLÊNCIA: Apoio a projetos e atividades que valorizem o Hip-Hop como a principal “Cultura de Rua Contra Violência” – valorização das propostas das posses, dos coletivos e grupos que estejam integrados ativamente às diversas articulações contra o Genocídio da População Preta, Pobre e Periférica;

- FOMENTO A ESTÚDIOS PÚBLICOS DE GRAVAÇÃO; RÁDIOs E TVs COMUNITÁRIAS DO HIP-HOP ORGANIZADO – Criação de Estúdios Públicos Municipais, Rádios, WebRadios, TVs e WebTVs, Espaços para Produção Autônoma para o Movimento Hip-Hop poder canalizar o seu trabalho de forma independente;

- VALORIZAÇÃO DAS POSSES, BANCAS, COLETIVOS E GRUPOS MILITANTES DO HIP-HOP ORGANIZADO, E NÃO DO HIP-HOP COMO SIMPLES SHOW/ESPETÁCULO: Maior apoio às posses, bancas, gangs de break e grafitti, coletivos e grupos do Hip-Hop Organizado: o Rap, o Break e o Grafitti das Ruas e do Cotidiano;

- PROGRAMAS DE RECONHECIMENTO PROFISSIONAL, FORMAÇÃO E APOIO A NOVOS MCs, DJs, BBOYs E GRAFITEIROS;

- HIP-HOP COMO CONHECIMENTO E FORMAÇÃO, “RAPENSANDO A EDUCAÇÃO”: Reconhecimento e apoio aos participantes do Movimento Hip-Hop como Educadores e Arte-Educadores. Resgate das experiências históricas (Rapensando a Educação, Hip-Hop nas Escolas, Sarau nas Escolas, Programa Hip-Hop é Educação – PL 609/2003), e criação de um grupo de trabalho entre a Secretaria de Cultura, Secretaria de Educação, Secretaria de Direitos Humanos e Secretaria de Promoção da Igualdade Racial para garantir as condições e a realização de Programas Educacionais a partir do Hip-Hop;

- PROJETO DE OCUPAÇÃO DO HIP-HOP NA PROGRAMAÇÃO DOS CENTROS CULTURAIS, CASAS POPULARES DE CULTURA E NOS CEUs DA CIDADE;

- PROGRAMA VAI – HIP-HOP: Construção de um Programa de Valorização de Iniciativas Culturais específicas do Hip-Hop, com critérios sócio-econômico-culturais bem definidos, e uma Comissão Julgadora com reconhecida história no Hip-Hop de SP;

- FOMENTO AO INTERCÂMBIO CULTURAL DO HIP-HOP DE SÃO PAULO COM OUTRAS PERIFERIAS DO BRASIL E DO MUNDO;

- PRÊMIO MUNICIPAL “SABOTAGE” E “DINA DI” DE HIP-HOP (Resgate da Resolução Municipal 008/2004): Construção do Prêmio Municipal do Hip-Hop a partir de uma Comissão Organizadora Autônoma formada por Julgadores com reconhecida história no Hip-Hop de SP;

- PROPOSTA DE FORMAÇÃO DO “CONSELHO DA FAVELA” EM SP: Em contraposição ao recém-anunciado “Conselho da Cidade”, o “Conselhão” do Prefeito Fernando Haddad, como o movimento Hip-Hop, os Saraus, o Samba, a Cultura Popular, a Periferia, ou seja, a Maioria não foi convidada a fazer parte – contrariando inclusive tudo aquilo que o sociólogo Haddad sempre defendeu junto a outros dos seus pares que também fazem parte do Conselhão, a crítica do abismo entre Cidade e Favela – o Movimento Hip-Hop Organizado de SP propõe a criação do “Conselho da Favela”, com o mesmo número de integrantes e com a mesma periodicidade de reuniões, que serão realizadas de forma autônoma a princípio na Favela do Moinho;

- QUE AS PROPOSTAS ENCAMINHADAS NO #EXISTE DIÁLOGO SEJAM APLICADAS NA PRÁTICA (PARA ALÉM DA CONVERSA), COM GARANTIA DE ORÇAMENTO, AUTONOMIA E EXECUÇÃO DE QUALIDADE PARA AS POLÍTICAS DO HIP-HOP E PARA A CIDADE.

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

logo


Violência e falta de direitos.


Uma visão dos problemas da juventude da periferia.


Um novo estudo do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) comprova que as chances de um negro ser assassinado no Brasil são muito maiores do que as de uma pessoa que não é negra. O documento foi divulgado na terça-feira, 19/11, véspera do Dia da Consciência Negra.

Segundo o estudo Vidas Perdidas e Racismo no Brasil, além da situação socioeconômica e do acesso desigual às políticas públicas, também o racismo da sociedade brasileira tem influência direta nos elevados índices de mortes violentas entre os jovens de periferia nas grandes metrópoles, especialmente Rio de Janeiro e São Paulo.

O estudo também aponta que, por causa da violência, a expectativa de vida dos negros é menor. Se consideradas todas as formas de violência letal (homicídios, suicídios e acidentes), os homens brasileiros de cor negra perdem 3,5 anos de vida, enquanto que os não negros perdem 2,57 anos.

Fórum Hip Hop

Como forma de criar espaço para expressão, intercâmbio cultural e social e de voz para representatividade, o jornalista e Rapper Pirata vem liderando o Fórum Hip Hop. Trata-se de uma organização que representa os jovens em especial os moradores da periferia e pretende debater soluções para a falta de perspectiva e do olhar público para os direitos desses jovens.

Uma das responsabilidades tem sido fazer interlocução com os poderes públicos. Para isso, além do blog, realizam eventos e desenvolvem diálogo contínuo com Vereadores, Comissões temáticas da Câmara Municipal e com organizações não governamentais.



Especialmente para o Portal do Sindilex, o Rapper Pirata responde algumas perguntas analisando esse contexto de tensão social e de conjuntura política desfavorável à vida dos jovens na periferia.

Redação: - A juventude negra, pobre e periférica vem sofrendo um genocídio na visão do Fórum Hip Hop?

RAPPER PIRATA - Sim.

Redação: - Faltam canais de interlocução com autoridades e poder público?

RAPPER PIRATA-O poder público não usa o seu principal princípio que é servir a população, ao contrário, tornou-se um espaço de pessoas que querem a estabilidade de suas funções, em razão da ideologia neoliberal que teve início e se estabilizou no mundo na década de oitenta. Isso nos trouxe o desemprego estrutural. Além disso, as instituições públicas não executam suas funções, por exemplo: secretarias de direitos humanos, coordenadorias, ouvidorias, Ministério Público, câmaras de vereadores, assembleias legislativas, comissões entre outras. Esses sempre falam que não tem cidadania para todos, e eles são frágeis. As instituições insistem em transferir para a sociedade civil a responsabilidade de resolver os crimes praticados pelo racismo institucional do estado brasileiro, algo que na Carta Magna obriga as instituições públicas a combaterem.

Redação: A imprensa e os formadores de opinião da sociedade paulistana dão pouca importância a esses fatos?

RAPPER PIRATA – Lógico! Porque eles lucram com esses crimes, estereotipando os pobres como violentos.

Redação: - É, na sua visão, um cenário mais paulistano ou de todas grandes cidades brasileiras?

RAPPER PIRATA - Se compreendi a pergunta, digo que o estado de São Paulo, tem tido divulgações sobre ser menos violento do que os outros estados, por reduzir os números quando são contabilizados a partir de picos de violência. Assim, é óbvia a sua diminuição e o marketing que se faz em torno desses números tem dado a sensação de controle. Mas a redução nunca é de 70%, sempre de zero virgula algo.

Redação: - Quais seriam as principais reivindicações?

RAPPER PIRATA- Indenização das famílias em casos de violência institucional; redução de estatísticas de 0 para 100 mil habitantes, em casos de violência; responsabilizar os governadores pela violência causada por suas políticas de segurança pública em que o jovem preto, pobre e periférico seja o alvo; efetivação das leis como SUAS, ECA, Maria da Penha, SUS, direitos humanos e culturais para se criar uma rede de proteção; desmilitarização das polícias e barrar a criminalização do pobres, movimentos culturais e sociais periféricos por parte dos governos e dos meios de comunicação.

Redação: Você acha que a falta de perspectivas para a juventude é a principal causa desses problemas sociais?

RAPPER PIRATA- Então, acredito que não haja falta de perspectiva para os jovens e sim a não garantia de direitos à população. Ainda temos cenários gigantes de miséria na realidade brasileira.

Redação: Na sua visão, qual a saída?

RAPPER PIRATA- Que toda a sociedade brasileira saia da zona de conforto que privilegia algumas pessoas que creem que a meritocracia é real, sendo que a disputa é desigual. Temos que querer que o outro viva e não sobreviva, dando o sentindo real de cidadania plena, distribuindo a renda a todos.
fonte:http://www.sindilex.org.br/materias/violencia-e-falta-de-direitos-problemas-juventude-periferia/violencia-e-falta-de-direitos-problemas-juventude-periferia.html

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

DOIS POR CENTO PARA CULTURA

Carta aos Vereadores da Cidade de São Paulo


Excelentíssimo(a)s Senhore(a)s Vereadore(a)s


Esta  carta  representa  o  posicionamento  político  dos  movimentos  culturais  das  periferias  da cidade  de  São  Paulo  no  que  compete  ao  orçamento  da  Secretaria  Municipal  de  Cultura,  que  será votado  nos  próximos  dias.  Estamos  acompanhando  de  perto  este  processo,  conquistando  espaços  de participação  direta  para  debater  as  necessidades  orçamentárias  junto  às  Secretarias  e  Parlamentares, buscando  garantir  comprometimento  com  as  políticas  culturais,  sobretudo  aquelas  que  influenciam diretamente na qualidade da produção cultural presente nas margens.


2% Já

Esta  bandeira  foi  levantada  pelos  movimentos  culturais  das  periferias  na  ultima audiência pública, realizada em 04 de novembro. No mesmo momento foi apresentada carta aos vereadores com o estudo orçamentário publicado pelo Fórum de Cultura da Zona Leste.
Existe  um  compromisso  firmado  no  plano  de  metas  da  prefeitura  de  2%  do  orçamento  da cidade  para  a  Cultura.  Esta  proposta  também  esteve  presente  como  uma  das  principais  demandas  da Conferência Municipal de Cultura  deste ano  e exigimos  que  seja cumprida  já em 2014.  Para tanto é necessário vontade política e apoio da Câmara dos Vereadores.


2% Como

A  produção  cultural  das  periferias  representa  em  número  a  maior  parte  da  produção  do município,  porém  tem  acesso  preterido  quando  se  trata  de  distribuição  dos  recursos.  São  necessárias políticas que revertam essa realidade cuja lógica é a de concentração dos recursos em programas e leis que, em sua execução, acabam limitados pelos muros ideológicos da exclusão imposta às margens.
 
Dos  453  milhões  previstos  para  2014,  apenas  25  milhões  irão  para  políticas  direcionadas  à periferia. A sociedade representada na Conferencia Municipal de Cultura apontou para a necessidade de investir  em  ações  diretas  nas  periferias  da  cidade  e  o  que  foi  apresentado  pela  Prefeitura  como proposta  orçamentária  não  dialoga  com  o  projeto  de  sociedade  que  queremos.  A  insuficiência  do orçamento destinado à pasta da Cultura levará o retrocesso  ou estagnação de  diversos programas de formação e produção artístico-cultural.

Sendo  assim,  os  movimentos  culturais  da  periferia  apresentam  de  forma  unificada  a reivindicação de aumento significativo do orçamento da Secretaria de Cultura, elencando as  demandas votadas na Conferência Municipal de Cultura,  e que  para nós  são  prioritárias por afetarem diretamente no aumento da quantidade e da qualidade da produção cultural periférica:
  • Aumento  da  verba  destinada  ao  Programa  VAI,  principal  política  cultural  destinada  à  produção cultural periférica;
  • Recurso para políticas de apoio e manutenção de espaços culturais independentes;
  • Recurso para programação dos equipamentos culturais, com prioridade às Casas de Cultural;
  • Verba  para  execução  da  Semana  do  Hip  Hop,  evento  regulamentado  em  lei  há  dez  anos,  mas  sem recurso previsto;
  • Recursos para reforma administrativa da Secretaria Municipal de Cultura, uma demanda apresentada tanto por movimentos como pela própria SMC.

Nós,  movimentos  articulados  das  periferias  de  São  Paulo, também  apresentamos  nesta  carta o total  REPÚDIO ao  PROJETO DE LEI 43/2013 do vereador Andrea Matarazzo  que estabelece a reformulação  da  Lei  Mendonça,  baseada  em  renuncia  fiscal,  transferindo  a  responsabilidade  do direito cultural  e do orçamento público  para a iniciativa privada. Repudiamos o fato desta Câmara Municipal, a casa do povo, não  saber distinguir entre o que beneficia a população de forma direta e o que  beneficia  ao  empresário,  permitindo  a  aprovação  de  uma  lei  que  delega  ao  departamento  de marketing de uma empresa o julgamento do que serve ou não à esta São Paulo, complexa, inovadora nas políticas públicas de cultura e participativa em seus processos de decisão.

Repudiamos o fato deste projeto de lei  injetar falsamente  87 milhões  no orçamento da cultura, enquanto  políticas  diretas  para  a  periferia  representam  um  terço  deste  valor.  Portando  deixamos  claro para o poder legislativo, e também ao executivo, que somos veementemente contrários a esta proposta de lei e lutaremos pelo seu veto.

Por  fim,  destacamos  que  durante  todo  o  mês  de  outubro  nos  reunimos  com  representantes  da Frente  Parlamentar,  Secretaria  Municipal  de  Cultura  e  SEMPLA. Esta  casa  se  comprometeu  em investir  no  orçamento  da  SMC,  e  não  foi  para  injetar  dinheiro  em  renúncias  fiscais,  mas  para fortalecer  os  programas  já  existentes  que  estão  a serviço  da  população  que  ainda  carece  de  acesso  ao direito à cultura.  O relatório orçamentário apresentado  pela Comissão de Finanças  nesta  segundafeira  não  apresenta  estas  discussões  e  as  pautas  apresentadas  pelos  movimentos  e  cooperativas artísticas.  Perguntamos-nos  então:  para  que  servem  estes  canais  de  diálogo  como  as  conferências  e audiências públicas?  Solicitamos maior comprometimento desta casa no que tange ao interesse da maior parte da população.


Assina esta carta a Articulação dos Movimentos Culturais da Periferia:

Fórum de Cultura da Zona Leste
Movimento Organizado Moinho Vivo
Bloco dos Espaços de Ocupação Cultural
Rede Viva Periferia Viva
Multirão Cultural da Quebrada
Articulação dos Saraus Periféricos
Fórum Municipal de Hip Hop
RECUSA