Translate

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Pauta 28/07


O Forum Hip Hop propôs fazermos uma parceria para realizar um encontro que discuta a violência contra a juventude, especialmente policial. É um tema com muitas abordagens diferentes, mas com potencial para reunir organizações importantes que contribuam com informações, debate e propostas. Essa conversa iniciou comigo (Gabriel), Sou da Paz (Keyllen) e Forum Hip Hop (Pirata). Agora abrimos a vocês.

Já agendamos sala aqui no auditorio da Ação e sentamos para pensar mais a respeito. Segue os resultados:

Nome do encontro

"Violência de Estado, extermínio e genocídio da juventude" (sugiro o subtítulo "visões de um mesmo problema")

Objetivos do encontro

Dar visibilidade à discussão da violência policial contra jovens, na sua grande maioria, negros.
Reunir organizações e grupos que discutem o problema com diferentes perspectivas e definições, fortalecendo esse debate.
Trazer novas informações e organizar discursos comuns sobre a questão , criando condições favoráveis para um seminário na Câmara Municipal e uma Campanha de combate à violência de agentes dos governos contra jovens.
Dia 18 de julho, das 19 horas até 21:30 horas

Formato:
1º momento - vídeo de abertura / 15 min
2º momento - convidados trazem informações (Sou da Paz + Fórum Hip Hop + convidado) /  45 minutos
3º momento - debate aberto (incluí uma intervenção cultural) / 1 hora
4º momento - encaminhar propostas para Campanha e Seminário na Câmara / 30 minutos

Questões:

1) Existência de um Plano do governo federal enfocando a violência contra juventude negra e a proposta da Conferência de Juventude com este foco dão legitimidade maior ao debate.
2) Recomendação o fim da PM brasileira coloca a necessidade de debater a questão.
3) Sou da Paz tem reunido dados relevantes que indicam a gravidade da violência policial contra jovens e os erros de uma política que prende e mata a juventude. esses dados podem ser complementados pela pesquisa Juventude e violência que o Pronasci fez.
4) Discutir como o combate às drogas tem contribuído para legitimar a violência conta a juventude.
5) Discutir os termos extermínio, genocídio e violência de Estado, buscando compreender do que estamos falando e como podemos criar um discurso comum que deslegitime a violência policial contra jovens e impulsione mudanças, para além das diferentes nomeclaturas.
6) Discutir acesso à informação sobre ação policial, denúncia, apuração e controle das polícias, maior participação na construção das políticas de segurança.


Nomes e organizações a serem convidadas

- Secretaria Nacional de Juventude / Plano de Enfrentamento ao Extermínio da Juventude Negra (Fernanda Papa / Helena Abramo): helena.abramo@presidencia.gov.br, fernanda.papa@presidencia.gov.br
- Marina Menezes ex-Ilanud (por estar envolvida na pesquisa do Pronasci)
- Articulação de Juventudes Negras (Samouri) (discute fortemente a perspectiva da violência contra juventude negra)
- Associação Frida Khalo (Roberta)
- Gerson Brandão (Polis)
- Núcleo de Estudos da Violência - USP (pesquisa sobre polícia e violência)
- Conectas (discute direitos humanos)
- Pastoral da Juventude (tem esse como um de seus temas)
- Defensoria Pública / área de direitos humanos
- Sou da Paz
- Cedeca Interlagos (tem se envolvido com temas nessa área)

Pirata, estão corretas as informações. Surgiu algo novo?

Keyllen, pensamos em falar com a Helena e tentar aproveitar aquela rede que a àrea de Justiça criminal havia mobilizado (que incluía Conectas, NEV e outros). Ver se conseguem contatos da Marina Meneses e do pessoal do NEV também.

Aos demais, quem puder contribuir na construção, agradecemos.
forumhiphopeopoderpublico.blogspot.com.br

Um comentário:

Thiago Ribeiro disse...

Gostaria de contribuir...Tenho procurado pessoas realmente interessadas em combater o racismo e a violência racial no Brasil, mas só encontro organizações que visam somente o lucro. Acredito que o Movimento Hip Hop seja o único que ainda não se corrompeu. Visitem meu blog e vejam minhas idéias. Quem sabe possamos lutar juntos. Abraços e forla.